ABORDAGEM DIAGNÓSTICA NA SUSPEITA DE HIPERTENSÃO ARTERIAL DE CAUSA SECUNDÁRIA NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS - GUIA DE ABORDAGEM INICIAL

Autores

  • António Mateus-Pinheiro Serviço de Medicina Interna, Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, Portugal; Faculdade de Medicina, Universidade de Coimbra, Portugal
  • Ana Carreira Serviço de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo, Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, Portugal
  • Rita Silva Serviço de Nefrologia, Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, Coimbra, Portugal
  • Vítor Coutinho-Teixeira Unidade de Saúde Familiar Fafe Sentinela, ACeS do Alto Ave, Portugal
  • Rogério Ferreira Serviço de Medicina Interna, Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, Portugal; Faculdade de Medicina, Universidade de Coimbra, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.58043/rphrc.122

Palavras-chave:

hipertensão arterial secundária, cuidados de saúde primários, hipertensão resistente, risco cardiovascular

Resumo

A hipertensão arterial (HTA) de causa secundária corresponde a 5 - 10% dos casos de HTA, apresentando morbimortalidade acrescida em comparação com a HTA primária. Por outro lado, tem origem em patologias potencialmente tratáveis e reversíveis, com abordagem específica, o que torna fundamental a sua identificação o mais precocemente possível. O médico de Medicina Geral e Familiar (MGF) é, geralmente, o primeiro ponto de contacto do doente com o sistema de saúde e o prestador de cuidados de continuidade, pelo que tem um papel essencial na identificação precoce de HTA secundária, bem como na referenciação atempada do doente para a consulta hospitalar especializada, quando justificado. Nesta série de artigos, propomos uma abordagem prática e simplificada (mas não simplista) no diagnóstico da HTA, com suspeita de causa secundária, no contexto de Cuidados de Saúde Primários (CSP). Pretende-se, assim, que o presente guia diagnóstico, estruturado em várias partes, sirva de apoio ao médico de MGF na abordagem do doente com HTA de presumível causa secundária, naquela que deverá ser uma cooperação constante entre os CSP e as equipas hospitalares dedicadas ao estudo desta entidade clínica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Williams B, Mancia G, Spiering W, Agabiti Rosei E, Azizi M, Burnier M et al. 2018 ESC/ESH Guidelines for the management of arterial hypertension. Eur Heart J 2018; 39: 3021–3104.

Dinis PG, Cachulo MC, Fernandes A, Paiva L, Gonçalves L. Secondary Arterial Hypertension: Uncertainties in Diagnosis. Acta Médica Port 2017; 30: 493–496.

Polonia J, Martins L, Pinto F, Nazare J. Prevalence, awareness, treatment and control of hypertension and salt intake in Portugal: changes over a decade. The PHYSA study. J Hypertens 2014; 32: 1211–1221.

Carey RM, Calhoun DA, Bakris GL, Brook RD, Daugherty SL, Dennison-Himmelfarb CR et al. Resistant Hypertension: Detection, Evaluation, and Management: A Scientific Statement From the American Heart Association. Hypertens Dallas Tex 1979 2018; 72: e53–e90.

Calhoun DA, Jones D, Textor S, Goff DC, Murphy TP, Toto RD et al. Resistant hypertension: diagnosis, evaluation, and treatment: a scientific statement from the American Heart Association Professional Education Committee of the Council for High Blood Pressure Research. Circulation 2008; 117: e510-526.

Textor SC, Lerman L. Renovascular hypertension and ischemic nephropathy. Am J Hypertens 2010; 23: 1159–1169.

Seabra FL et al. Guia do Internista na Consulta Externa, Edição 2019. Sociedade Portuguesa de Medicina Interna 2019.

Downloads

Publicado

2024-04-18

Como Citar

1.
Mateus-Pinheiro A, Carreira A, Silva R, Coutinho-Teixeira V, Ferreira R. ABORDAGEM DIAGNÓSTICA NA SUSPEITA DE HIPERTENSÃO ARTERIAL DE CAUSA SECUNDÁRIA NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS - GUIA DE ABORDAGEM INICIAL. RH [Internet]. 18 de Abril de 2024 [citado 13 de Junho de 2024];(100):7-15. Disponível em: https://revistahipertensao.pt/index.php/rh/article/view/122

Edição

Secção

Artigo de Revisão