HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PORTUGAL – O CUSTO DO CONTROLO

Autores

  • Taciana Augusta Serra Lopes Pinto Santos Aluna do 6o ano do Mestrado Integrado em Medicina na Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, Portugal
  • António Cruz Ferreira Assistente de MGF; USF Mealhada; Assistente convidado da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra; Clínica Universitária de Medicina Geral e Familiar da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra
  • Luíz Miguel Santiago Professor Associado com Agregação na Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra; Clínica Universitária de Medicina Geral e Familiar na Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra; Consultor, Assistente Graduado Sénior em Medicina Geral e Familiar. https://orcid.org/0000-0002-9343-2827

DOI:

https://doi.org/10.58043/rphrc.51

Palavras-chave:

hipertensão arterial, custos, controlo, terapêutica, gestão da doença, medicina, economia

Resumo

Introdução: A hipertensão arterial (HTA) apresenta uma crescente prevalência mundial. Em Portugal tem uma prevalência de 36% e é a principal causa de morte. O controlo adequado é o melhor método na redução deste problema. Efetuou-se estudo para analisar o custo do tratamento da HTA, percebendo as diferenças entre doentes com e sem controlo. Adicionalmente, avaliaram-se assimetrias regionais, quanto ao cumprimento do cenário ideal: o melhor controlo da doença, pelo menor custo possível, no ambiente dos Cuidados de Saúde Primários.

Métodos: Realizou-se estudo observacional pela recolha de dados públicos na plataforma “Bilhete de Identidade dos Cuidados de Saúde Primários”. Compararam-se dois indicadores: 352 – Custo com terapêutica do doente com Hipertensão Arterial e 353 – Custo com terapêutica do doente com Hipertensão Arterial controlada. Foi estudado o censo dos resultados nos anos de 2017 e 2018, no mês de Dezembro, em indicador flutuante e, para cada região de Saúde, numa amostra significativa e representativa dos ACeS. Realizou-se estatística paramétrica dada a normalidade dos dados: teste T de Student e ANOVA, definindo-se significado estatístico com p=0,001.

Resultados: Em cada ano houve uma diferença significativa entre os dois indicadores, sendo o valor mais elevado na situação de controlo. O custo da terapêutica num doente com HTA controlada é significativamente maior do que na situação não controlada. Em €, em 2017, 78,14±7,98 vs. 90,05±9,12, com p<0,001; em 2018, 82,99±8,93 vs. 95,74±9,39, com p<0,001. No ano de 2018, mas não no de 2017, verificou-se diferença significativa no valor da HTA controlada por regiões, sendo mais elevado o valor no Alentejo, seguido de Centro e Algarve. Opondo-se, como de menor custo, ficaram as regiões Norte e Lisboa e Vale do Tejo.

Discussão: Como o controlo da HTA apresenta um custo mais elevado, implica ponderar se as medidas não farmacológicas são insuficientes e/ou pouco valorizadas e implementadas na sociedade. Sendo os indicadores construídos em função do prescrito e não do comprado, as diferenças socioeconómicas podem ser um entrave à compra da medicação, que poderá não ser cumprida. As diferenças regionais poderão ser explicadas pelos contrastes de escolaridade, poder financeiro e distribuição do acesso e tipo de cuidados de saúde primários, bem como da idade e polifarmacoterapia.

Conclusão: O custo da terapêutica da HTA controlada é significativamente maior que o da HTA não controlada. As diferenças regionais devem ser alvo da atenção de entidades competentes para a sua modificação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Direção-Geral da Saúde - Norma da Abordagem Terapêutica da Hipertensão Arterial. Norma no 026/2011 de 29/09/2011 atualizada a 19/03/2013. [Internet]. Available from: https://www.dgs.pt/directrizes-da-dgs/ normas-e-circulares-normativas/norma-n-0262011-de- 29092011-atualizada-a-19032013-jpg.aspx [Acedido em 2 de novembro de 2019]

Sociedade Portuguesa de Hipertensão - Hipertensão arterial (HTA): o que é?. [Internet]. Available from: https://www.sphta.org.pt/pt/base8_ detail/24/89 [Acedido em 2 de novembro de 2019]

International Society of Hypertension & World Hypertension Day - May Measurement Month. [Internet]. Available from: http://ish-world.com/data/ uploads/may_measurement_month/PT/180427_01__ AN_MMM_infographic_pt_portrait.png [Acedido em 2 de novembro de 2019]

Campos, Luís. Acta Médica Portuguesa, 31/01/2018 - Uma perspetiva sobre o Relatório da OCDE “Health at a Glance 2017”. [Internet]. Available from: https://webcache.googleusercontent. com/search?q=cache:PvmHLWj7Om8J:https:// www.actamedicaportuguesa.com/revista/index.php/ amp/article/download/10111/5322+&cd=1&hl=pt- PT&ct=clnk&gl=pt [Acedido em 2 de novembro de 2019]

Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge - Infográfico Doença crónica. 2015. [Internet]. Available from: http://repositorio.insa. pt/bitstream/10400.18/5748/4/INSA-info-doenca- cronica-PT.pdf [Acedido em 2 de novembro de 2019]

Serviço Nacional de Saúde - Retrato da Saúde 2018. [Internet]. Available from: https://www.sns.gov.pt/wp-content/uploads/2018/04/RETRATO-DA- SAUDE_2018_compressed.pdf [Acedido em 2 de novembro de 2019]

Jornal Médico - Hipertensão: a principal causa de morte em Portugal em debate. [Internet]. Available from: https://www.jornalmedico.pt/atualidade/37050- hipertensao-a-principal-causa-de-morte-em-portugal- em-debate.html [Acedido em 2 de novembro de 2019]

Ferreira, Rui Cruz; Macedo, Mário Espiga; Direção-Geral de Saúde. Programa Nacional para as Doenças Cérebro-Cardiovasculares - A Hipertensão Arterial em Portugal. 2013. [Internet]. Available from: https://www.dgs.pt/em-destaque/a-hipertensao-arterial-em-portugal-ppsx.aspx [Acedido em 2 de novembro de 2019]

Ministério da Saúde. Admnistração Central do Sistema de Saúde, IP. Bilhete de Identidade dos Indicadores dos Cuidados de Saúde Primários para o ano de 2017. Abril 2017. [Internet]. Available from: https://www.sns.gov.pt/wp-content/uploads/2017/04/ bilhete_identidade_indicadores_contratualizacao_2017. pdf [Acedido em 2 de novembro de 2019]

Ana P.Rodrigues,Vânia Gaio,Irina Kislaya,Sidsel Graff-Iversen, Eugénio Cordeiro, Ana C. Silva, Sónia Namorado, Marta Barreto, Ana P. Gil, Liliana Antunes, Ana Santos, José Pereira-Miguel, Baltazar Nunes, Carlos Matias-Dias; INSEF Research group; Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge; “Prevalência de hipertensão arterial em Portugal: resultados do Primeiro Inquérito Nacional com Exame Físico (INSEF 2015)”; [Internet]. Available from: http://repositorio.insa.pt/ bitstream/10400.18/4760/1/Boletim_Epidemiologico_ Observacoes_NEspecia8-2017_artigo2.pdf [Acedido em 9 de novembro de 2019]

Silva, R.; “Hipertensão Arterial nos Cuidados de Saúde Primários em Portugal: Dimensões para o seu Controlo”; [Tese de MIM]. Universidade de Coimbra, 2019. [Acedido em 9 de novembro de 2019]

PORDATA; “População residente com 15 e mais anos por nível de escolaridade completo mais elevado segundo os Censos (%)”; [Internet]. Available from: https://www.pordata.pt/Municipios/Popula%c3%a7%c3%a3o+residente+com+15+e+mais+anos+por+n%c3%advel+de+escolaridade+completo+mais+elevado+segundo+ os+Censos+(percentagem)-380-1856 [Acedido em 9 de novembro de 2019]

Observatório Português dos Sistemas de Saúde: “Saúde - um direito humano - Relatório de Primavera 2019”; [Internet]. Available from: http://opss.pt/wp-content/uploads/2019/07/RP2019.pdf [Acedido em 9 de novembro de 2019]

Delgado, Manuel; “Cuidados de Saúde Primários aquém das expectativas”; [Internet]. Available from: http://visao.sapo.pt/opiniao/2019-07-22-Cuidados-de- saude-primarios-aquem-das-expetativas [Acedido em 9 de novembro de 2019]

Vilas Boas, Bernardo; “A nova organização nos cuidados de saúde primários, os seus resultados e o futuro”; [Internet]. Available from: https://www. usf-an.pt/artigos-de-opiniao/a-nova-organizacao-nos-cuidados-de-saude-primarios-os-seus-resultados-e-o-futuro/ [Acedido em 9 de novembro de 2019]

Downloads

Publicado

2023-02-13

Como Citar

1.
Serra Lopes Pinto Santos TA, Cruz Ferreira A, Santiago LM. HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PORTUGAL – O CUSTO DO CONTROLO. RH [Internet]. 13 de Fevereiro de 2023 [citado 2 de Março de 2024];(90):20-8. Disponível em: https://revistahipertensao.pt/index.php/rh/article/view/51

Edição

Secção

Artigo Original