AJUSTE DE ANTICOAGULANTES ORAIS DIRETOS À FUNÇÃO RENAL NA FIBRILHAÇÃO E FLUTTER AURICULAR

Autores

  • Mariana Pereira Médica Interna de Medicina Geral e Familiar. Unidade de Saúde Familiar Vista Tejo, Agrupamentos de Centros de Saúde Almada Seixal. Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo. Lisboa. Portugal.
  • Nuno Caires Médico Interno de Medicina Geral e Familiar. Unidade de Saúde Familiar Fernão Ferro Mais, Agrupamentos de Centros de Saúde Almada Seixal. Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo. Lisboa. Portugal
  • Maria Beatriz Morgado Médica Interna de Medicina Geral e Familiar. Unidade de Saúde Familiar Cova da Piedade, Agrupamentos de Centros de Saúde Almada Seixal. Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo. Lisboa. Portugal
  • Rita L. Silva Médica Interna de Medicina Geral e Familiar. Unidade de Saúde Familiar São João do Pragal, Agrupamentos de Centros de Saúde Almada Seixal. Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo. Lisboa. Portugal
  • Catarina Capella Médica Interna de Medicina Geral e Familiar. Unidade de Saúde Familiar Almada, Agrupamentos de Centros de Saúde Almada Seixal. Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo. Lisboa. Portugal

DOI:

https://doi.org/10.58043/rphrc.55

Palavras-chave:

Anticoagulantes, taxa de filtração glomerular, fibrilhação auricular, flutter auricular

Resumo

Introdução: A fibrilhação e o flutter auricular são taquiarritmias frequentes, cuja terapêutica anticoagulante depende do ajuste à função renal. O objetivo deste estudo foi avaliar a adequação da prescrição de anticoagulantes orais diretos em adultos com estas patologias.

Métodos: Realizámos um estudo observacional transversal em 5 unidades de saúde familiar. Incluímos adultos com fibrilhação ou flutter auricular, taxa de filtração glomerular inferior a 50 mL/min, medicados com um anticoagulante oral direto e com registo de peso e creatinina entre junho de 2020 e maio de 2021. Calculámos a taxa de filtração glomerular através da fórmula Cockcroft-Gault e avaliámos a adequação terapêutica de acordo com o Resumo das Características do Medicamento. Realizámos uma análise descritiva da população e uma análise da associação entre a adequação terapêutica e as características dos doentes, assim como com os fármacos prescritos.

Resultados: Dos 95 utentes, 43 (45,3%) eram do sexo masculino, com idade média de 83 anos. Identificámos 46 (48,4%) com prescrição inadequada, dos quais 43 (45,3%) possuíam uma posologia incorreta e 3 (3,2%) apresentavam contraindicação para anticoagulante oral direto. Não verificámos uma associação entre a adequação da prescrição terapêutica e as caraterísticas dos doentes, nem com o fármaco utilizado.

Discussão: A prescrição de anticoagulantes orais diretos não ajustada à função renal parece ser elevada, colocando em risco a eficácia e a segurança destes fármacos. A determinação da taxa de filtração glomerular é imprescindível para uma prescrição adequada de anticoagulantes orais diretos em doentes com fibrilhação ou flutter auricular.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Monteiro P. The SAFIRA study: A reflection on the prevalence and treatment patterns of atrial fibrillation and cardiovascular risk factors in 7500 elderly subjects. Revista Portuguesa de Cardiologia. 2018;37:307-313.

Bonhorst D. Um novo olhar sobre a prevalência da fibrilhação auricular em Portugal - O Estudo Safira. Revista Portuguesa de Cardiologia. 2018;37:315-317.

Ghali WA,Wasil BI,Brant R,Exner D v.,Cornuz J. Atrial flutter and the risk of thromboembolism: A systematic review and meta-analysis. American Journal of Medicine. 2005;118:101-107.

Hindricks G, Potpara T, Dagres N, Bax J, Boriani G, Dan G et al. 2020 ESC Guidelines for the diagnosis and management of atrial fibrillation developed in collaboration with the European Association for Cardio-Thoracic Surgery (EACTS). European Heart Journal. 2021;42:373-498.

Heidbuchel H, Verhamme P, Alings M, Antz M, Hacke W, Oldgren J et al. European Heart Rhythm Association Practical Guide on the use of new oral anticoagulants in patients with non-valvular atrial fibrillation. Europace. 2013;15:625-651.

Zhang ZX, van de Garde EMW, Söhne M, Harmsze AM, van den Broek MPH. Quality of clinical direct oral anticoagulant prescribing and identification of risk factors for inappropriate prescriptions. British Journal of Clinical Pharmacology. 2020;86:1567-1574.

Whitworth MM, Haase KK, Fike DS, Bharadwaj RM,Young RB,MacLaughlin EJ.Utilization and prescribing patterns of direct oral anticoagulants. International Journal of General Medicine. 2017;10:87-94.

Aursulesei V, Costache II. Anticoagulation in chronic kidney disease: from guidelines to clinical practice. Clinical Cardiology. 2019;42:774-782.

Ortiz MR, Muñiz J, Míguez PR, Roldán I, Marin F, Esteve-Pastor MA et al. Inappropriate doses of direct oral anticoagulants in real-world clinical practice: Prevalence and associated factors. A subanalysis of the FANTASIIA registry. Europace. 2018;20:1577-1583.

Chan KE, Giugliano RP, Patel MR, Abramson S, Jardine M, Zhao S et al. Nonvitamin K Anticoagulant Agents in Patients With Advanced Chronic Kidney Disease or on Dialysis With AF. Journal of the American College of Cardiology. 2016;67:2888-2899.

Kcükköylü S, Rump LC. DOAC use in patients with chronic kidney disease. Hamostaseologie. 2017;37:286-294.

Downloads

Publicado

2023-02-01

Como Citar

1.
Pereira M, Caires N, Morgado MB, L. Silva R, Capella C. AJUSTE DE ANTICOAGULANTES ORAIS DIRETOS À FUNÇÃO RENAL NA FIBRILHAÇÃO E FLUTTER AURICULAR. RH [Internet]. 1 de Fevereiro de 2023 [citado 24 de Abril de 2024];(93):30-7. Disponível em: https://revistahipertensao.pt/index.php/rh/article/view/55

Edição

Secção

Artigo Original