AMPA: QUE INFORMAÇÕES ESTAMOS A PERDER

Autores

  • Cátia Machado Interna de formação específica em MGF – ACeS Baixo Vouga, UCSP Aveiro II
  • Lara Cabrita Interna de formação específica em MGF – ACeS Baixo Vouga, UCSP Aveiro II
  • Ana João Taveira Médica especialista de MGF
  • Pedro Damião Médico assistente graduado de MGF – ACeS Baixo Vouga, UCSP Aveiro II

DOI:

https://doi.org/10.58043/rphrc.63

Palavras-chave:

AMPA, HTA, Pressão de pulso, Frequência cardíaca, variabilidade PAS

Resumo

Introdução: As doenças cardiovasculares (CV) são um problema de saúde pública nas sociedades modernas, representando a hipertensão arterial (HTA) um dos principais fatores de risco, com consequente morbilidade e mortalidade associadas. Os métodos de avaliação da pressão arterial (PA) evoluíram nas últimas décadas, com uma maior acessibilidade e facilidade de utilização para a maioria da população, com a auto-medição da PA em ambulatório (AMPA) a ter um papel fundamental. Seria assim expectável a sua maior utilização na prática clínica a nível do diagnóstico, monitorização, tratamento e prognóstico da PA, sendo mais representativa dos valores reais da PA no dia-a-dia, comparativamente à PA de consultório. O uso da AMPA tem ganho uma importância e popularidade crescente como método complementar e até preferencial, pois permite uma avaliação longitudinal com uma reprodutibilidade superior. Estudos recentes mostram um valor preditivo superior na previsão da morbimortalidade CV. A AMPA fornece vários parâmetros com informação crucial para a tomada de decisões, entre os quais: PA sistólica (PAS), PA diastólica (PAD), pressão de pulso (PP), frequência cardíaca (FC) e variabilidade tensional.

Objetivos: Rever a evidência científica sobre a utilização da AMPA e dos seus parâmetros: PAS, PAD, FC, PP e variabilidade PAS na previsão de eventos CV futuros. Orientar e melhorar a leitura da AMPA, com a valorização dos diferentes parâmetros como a PP, a variabilidade tensional (medida pelo coeficiente de variação) e a percentagem de valores acima do valor de corte (equivalente à carga da monitorização ambulatória da pressão arterial - MAPA).

Métodos: Pesquisa bibliográfica de artigos originais, revisões sistemáticas e metanálises publicadas entre 1995 e 2020 nas bases de dados: Pubmed® e Google Scholar® utilizando os termos “HBPM”, “pulse pressure”, “variability of blood pressure” e “heart rate”.

Resultados: Validação científica dos diferentes parâmetros como preditores de eventos cardiovasculares futuros: a maioria da literatura baseia-se em medições da PA através da MAPA ou de consultório e, poucos utilizando a AMPA. Sobre a AMPA: valores de PAS e PAD mostraram relação com eventos CV futuros. PP e a variabilidade são ainda pouco estudados. PP, PAD e PAS medidas pela AMPA, foram fortemente correlacionadas com hipertrofia ventricular esquerda (HVE). A variabilidade tensional obtida pela AMPA foi também alvo de estudos na previsão de eventos CV, com uma grande relação com acidentes vasculares cerebrais. No entanto, esta relação com eventos cardíacos e outros eventos CV ainda não foi estabelecida. Este estudo realizado no Japão apontou algumas limitações, dado que nesta população, a relação entre a HTA e os eventos vasculares cerebrais está bem estabelecida e é superior aos eventos cardíacos.

Conclusões: A relação entre PA (obtida em consultório e MAPA) e eventos CV está bem estabelecida. Sem evidência clínica suficiente sobre a utilização e valorização de parâmetros como a PP, FC, variabilidade da PAS e “carga” obtidos através da AMPA. AMPA é um método com grande potencial de informação a ser aplicado na prática clínica do dia-a-dia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Hansen TW, Jeppesen J, Rasmussen S, Ibsen H, Torp- Pedersen C. Ambulatory blood pressure and mortality: A population-based study. Hypertension. 2005;45(4):499– 504.

Kikuya M, Ohkubo T, Asayama K, Metoki H, Obara T, Saito S, et al. Ambulatory blood pressure and 10-year risk of cardiovascular and noncardiovascular mortality: The Ohasama study. Hypertension. 2005;45(2):240–5.

Aparicio LS, Thijs L, Asayama K, Barochiner J, Boggia J, Gu YM, et al. Reference frame for home pulse pressure based on cardiovascular risk in 6470 subjects from 5 populations. Hypertens Res. 2014;37(7):672–8.

Dolan E, Stanton A, Thijs L, Hinedi K, Atkins N, McClory S, et al. Superiority of ambulatory over clinic blood pressure measurement in predicting mortality: The Dublin outcome study. Hypertension. 2005;46(1):156– 61.

Hoshide S, Yano Y, Mizuno H, Kanegae H, Kario K. Day-by-Day Variability of Home Blood Pressure and Incident Cardiovascular Disease in Clinical Practice. Hypertension. 2018;71(1):177–84.

Niiranen TJ, Hänninen MR, Johansson J, Reunanen A, Jula AM. Home-measured blood pressure is a stronger predictor of cardiovascular risk than office blood pressure: The finn-home study. Hypertension. 2010;55(6):1346–51.

Ohkubo T, Imai Y, Tsuji I, Nagai K, Kato J, Kikuchi N, et al. Home blood pressure measurement has a stronger predictive power for mortality than does screening blood pressure measurement: A population-based observation in Ohasama, Japan. J Hypertens. 1998;16(7):971–5.

Bobrie G, Chatellier G, Genes N, Clerson P, Vaur L, Vaisse B, et al. Cardiovascular Prognosis of “Masked Hypertension” Detected by Blood Pressure Self- measurement in Elderly Treated Hypertensive Patients. J Am Med Assoc. 2004;291(11):1342–9.

Hozawa A, Ohkubo T, Kikuya M, Ugajin T, Yamaguchi J, Asayama K, et al. Prognostic value of home heart rate for cardiovascular mortality in the general population: The Ohasama study. Am J Hypertens. 2004;17(11):1005–10.

Hozawa A, Ohkubo T, Nagai K, Kikuya M, Matsubara M, Tsuji I, et al. Prognosis of isolated systolic and isolated diastolic hypertension as assessed by self- measurement of blood pressure at homel: The ohasama study. Arch Intern Med. 2000;160(21):3301–6.

Blacher J, Staessen JA, Girerd X, Gasowski J, Thijs L, Liu L, et al. Pulse pressure not mean pressure determines cardiovascular risk in older hypertensive patients. Arch Intern Med. 2000;160(8):1085–9.

De Marco A, Feitosa AM, Gomes MM, Parente

GB, Victor EG. Pulse pressure measured by home blood pressure monitoring and its correlation to left ventricular mass index. Arq Bras Cardiol. 2007;88(1):91–5.

Tsunoda S, Kawano Y, Horio T, Okuda N, Takishita S. Relationship between home blood pressure and longitudinal changes in target organ damage in treated hypertensive patients. Hypertens Res. 2002;25(2):167– 73.

Inoue R, Ohkubo T, Kikuya M, Metoki H, Asayama K, Kanno A, et al. Stroke risk of blood pressure indices determined by home blood pressure measurement: The ohasama study. Stroke. 2009;40(8):2859–61.

Hoshide S, Yano Y, Haimoto H, Yamagiwa K, Uchiba K, Nagasaka S, et al. Morning and Evening Home Blood Pressure and Risks of Incident Stroke and Coronary Artery Disease in the Japanese General Practice Population: The Japan Morning Surge-Home Blood Pressure Study. Hypertension. 2016;68(1):54–61.

Downloads

Publicado

2023-02-13

Como Citar

1.
Machado C, Cabrita L, Taveira AJ, Damião P. AMPA: QUE INFORMAÇÕES ESTAMOS A PERDER. RH [Internet]. 13 de Fevereiro de 2023 [citado 2 de Março de 2024];(90):16-9. Disponível em: https://revistahipertensao.pt/index.php/rh/article/view/63

Edição

Secção

Artigo de Revisão