SARS-COV-2: Um Intruso No Sistema Renina-Angiotensina-Aldosterona

Autores

  • Inês Cunha Interna de formação específica de Medicina Interna, Centro Hospitalar Tondela-Viseu, Portugal
  • Daniel Aparício Interno de formação específica de Medicina Interna, Centro Hospitalar Tondela-Viseu, Portugal
  • Andreia Lopes Interna de formação específica de Medicina Interna, Centro Hospitalar Tondela-Viseu, Portugal
  • Inês Bagnari Interna de formação específica de Cirurgia Geral, Hospital de Santo Espírito de Angra do Heroísmo, Portugal
  • Joana Cunha Interna de formação específica de Medicina Interna, Centro Hospitalar Tondela-Viseu, Portugal
  • Rui Marques Assistente hospitalar graduado de Medicina Interna, Centro Hospitalar Tondela-Viseu, Portugal
  • Vera Romão Assistente hospitalar de Medicina Interna, Centro Hospitalar Tondela-Viseu, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.58043/rphrc.76

Palavras-chave:

Hipertensão arterial, Inibidores da Enzima de Conversão da Angiotensina, Antagonistas dos Recetores da Angiotensina II, COVID-19, SARS-CoV-2, Pneumonia

Resumo

Introdução: O novo coronavírus da síndrome respiratória aguda grave 2 (SARS-CoV-2) utiliza a enzima conversora da angiotensina 2 (ECA 2) para entrar nas células. Teoriza-se que os inibidores da enzima de conversão da angiotensina (IECAs) e os antagonistas dos recetores da angiotensina II (ARAs II) possam aumentar a expressão desta enzima, levantando a hipótese destes fármacos aumentarem a suscetibilidade à coronavirus disease 2019 (COVID-19) e se associarem a um pior prognóstico desta doença. Contudo, estudos subsequentes mostram efeitos neutros destes fármacos e outros até benéficos, tornando-se essencial mais investigação para apurar o real impacto destas classes de fármacos na apresentação, curso e prognóstico da COVID-19.

Objetivo: Nos doentes internados por COVID-19, analisar as diferenças entre o grupo de doentes que realizava IECAs ou ARAs II (gIECA/ARA) e o grupo que não realizava estes fármacos (gNãoIECA/ARA), quanto a características demográficas, prevalência de comorbilidades, presença de sintomas mais frequentes de COVID-19, alterações analíticas, gasométricas e radiológicas, sobreinfeção bacteriana, necessidade de internamento em unidade de cuidados intensivos, duração do internamento e mortalidade.

Material e Métodos: Estudo retrospetivo dos doentes internados por COVID-19, no Centro Hospitalar Tondela-Viseu, de 15 de Março a 18 de Maio de 2020, com recurso aos dados dos processos clínicos do Sclínico e ALERT® e análise estatística através do programa SPSS®. Resultados: Dos 89 doentes incluídos no estudo, 38.20% eram mulheres. A idade média dos doentes foi de 73.26 ± 16.26 anos. Cinquenta e cinco por cento eram hipertensos e 33.71% dos doentes da amostra estavam sob IECAs ou ARAs II. A média de idades foi idêntica nos dois grupos (77.93 ± 10.40 no gIECA/ARA vs 70.88 ± 18.17 anos no gNãoIECA/ARA, p=0.264); 46.67% eram mulheres no gIECA/ ARA e 33.90% no gNãoIECA/ARA (p=0.241). A prevalência de diabetes mellitus (DM) foi superior no gIECA/ARA (43.33 vs 22.03%, p=0.037), assim como a insuficiência cardíaca (IC) (36.67% vs 27.12%, p=0.354). A dispneia foi mais frequente no gIECA/ ARA (56.67 vs 54.24%, p=0.828), mas não a tosse, nem a febre (46.67 vs 50.85%, p=0.709 e 40.00 vs 54.24%, p=0.204). Não se verificaram diferenças significativas nos parâmetros analíticos e gasométricos, no serviço de urgência, entre o gIECA/ARA e gNãoIECA/ ARA, nomeadamente no valor médio de leucócitos (respetivamente, 11.73 vs 9.03 x 109/L, p=0.186), neutrófilos (8.56 vs 6.63 x 109/L, p=0.112), linfócitos (1.16 vs 1.21 x 109/L, p=0.714), plaquetas (212.59 vs 209.69 x 109/L, p=0.881), proteína C reativa (6.69 vs 8.48 mg/dL, p=0.247), procalcitonina (1.12 vs 3.73 ng/mL, p=0.472), pH do sangue arterial (7.44 vs 7.45, p=0.820), lactatos (1.85 vs 1.43 mmol/L, p=0.172) e a razão PaO2/FiO2 (248.02 vs 271.70, p=0.228). A percentagem de doentes com evidência de pneumonia na radiografia do tórax foi idêntica nos dois grupos (50.00 vs 64.41%, p=0.191), assim como a percentagem de doentes que iniciaram antibioterapia por suspeita de sobreinfeção bacteriana (60.00 vs 67.80%, p=0.466). Necessitaram de cuidados intensivos 13.33% dos doentes do gIECA/ARA e 10.17% do gNãoIECA/ARA (p=0.728). A média da duração do internamento foi ligeiramente superior no gIECA/ARA (20.13 vs 15.75 dias, p=0.246), mas a mortalidade foi inferior (10.00 vs 16.95%, p=0.530).

Conclusões: Não se verificaram diferenças estatisticamente significativas entre os dois grupos quanto a idade e distribuição de géneros. Como expectável, no gIECA/ARA foram mais prevalentes comorbilidades como a DM e a IC. Por outro lado, também não se observaram diferenças com significância estatística entre os dois grupos quanto a sintomatologia da COVID-19, alterações analíticas, gasométricas e radiológicas, presença de pneumonia, suspeita de sobreinfeção, necessidade de internamento em unidade de cuidados intensivos, duração do internamento e mortalidade. Assim, apesar do alarme inicial quanto aos possíveis efeitos prejudiciais dos IECAs e ARAs II na COVID-19, estudos posteriores não confirmaram esta hipótese. O presente estudo, ao não encontrar diferenças significativas no que se refere à apresentação, curso e prognóstico da doença entre doentes sob IECAs e ARAs II e doentes que não realizavam estes fármacos, vai também de encontro às recomendações de várias sociedades da área da hipertensão arterial, que defendem a manutenção desta terapêutica em doentes com COVID-19.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

LiuY,KuoR,ShihS,COVID-19:Thefirstdocumented coronavirus pandemic in history. Biomedical Journal. 2020; 43: 328-333. doi: 10.1016/j.bj.2020.04.007

Wang D,Hu B,Hu C,Zhu F,Liu X,Zhang J,et al. Clinical. Characteristics of 138 Hospitalized Patients With 2019 Novel Coronavirus-Infected Pneumonia in Wuhan, China. Jama. 2020; ;323(11):1061–1069. doi:10.1001/jama.2020.1585

Li B,Yang J,Zhao F,Zhi L,Wang X,Liu L,et al. Prevalence and impact of cardiovascular metabolic diseases on COVID-19 in China. Clinical Research in Cardiology. 2020; 109:531–538. doi: 10.1007/s00392- 020-01626-9

Bavishi C, Maddox T, Messerli F. Coronavirus Disease 2019 (COVID-19) Infection and Renin Angiotensin System Blockers. JAMA Cardiol. 2020;5(7):745–747. doi:10.1001/jamacardio.2020.1282

Vickers C, Hales P, Kaushik V, Dick L, Gavin J, Tang J, et al. Hydrolysis of biological peptides by human angiotensin-converting enzyme-related carboxypeptidase. J Biol Chem. 2002;277(17):14838- 43. doi: 10.1074/jbc.M200581200.

Li W,Zhang C,Sui J,Kuhn J,Moore M,Luo S,et al. Receptor and viral determinants of SARS-coronavirus adaptation to human ACE2.EMBO J.2005;24(8):1634- 43. doi: 10.1038/sj.emboj.7600640.

Byrd J, Ram C, Lerma E. Pharmacologic treatment of hypertension. Nephrology Secrets. Elsevier. 2019, 477– 482. doi:10.1016/b978-0-323-47871-7.00078-2

Fang L, Karakiulakis G, Roth M. Are patients with hypertension and diabetes mellitus at increased risk for COVID-19 infection? Lancet Respir Med. 2020;8(4):e21. doi: 10.1016/S2213-2600(20)30116-8.

Kuba K,Imai Y,Rao S,Gao H,Guo F,Guan B,et al.A crucial role of angiotensin converting enzyme 2 (ACE2) in SARS coronavirus-induced lung injury. Nat Med. 2005;11:875-879. doi: 10.1038/nm1267

Zhang X,Yu J,Pan LY,Jiang HY.ACEI/ARB use and risk of infection or severity or mortality of COVID-19: A systematic review and meta-analysis. Pharmacol Res. 2020;158:104927. doi:10.1016/j.phrs.2020.104927

Rico-Mesa JS, White A, Anderson AS. Outcomes in Patients with COVID-19 Infection Taking ACEI/ ARB. Curr Cardiol Rep. 2020 Apr 14;22(5):31. doi: 10.1007/s11886-020-01291-4

Li X, Zhang J, Zhuo J. The vasoprotective axes of the renin-angiotensin system: Physiological relevance and therapeutic implications in cardiovascular, hypertensive and kidney diseases. Pharmacol Res. 2017.125(Pt A):21-38. doi: 10.1016/j.phrs.2017.06.005.

Sriram K, Insel PA. Risks of ACE Inhibitor and ARB Usage in COVID-19: Evaluating the Evidence. Clin Pharmacol Ther. 2020;108(2):236-241. doi: 10.1002/cpt.1863

Kreutz R, Algharably E, Azizi M, Dobrowolski P, Guzik T, Januszewicz A, et al. Hypertension, the renin- angiotensin system, and the risk of lower respiratory tract infections and lung injury: implications for COVID-19. Cardiovasc Res. 2020;116(10):1688-1699. doi:10.1093/ cvr/cvaa097

Downloads

Publicado

2023-04-16

Como Citar

1.
Cunha I, Aparício D, Lopes A, Bagnari I, Cunha J, Marques R, Romão V. SARS-COV-2: Um Intruso No Sistema Renina-Angiotensina-Aldosterona. RH [Internet]. 16 de Abril de 2023 [citado 22 de Julho de 2024];(94):26-33. Disponível em: https://revistahipertensao.pt/index.php/rh/article/view/76

Edição

Secção

Artigo Original